Longá, uma solução criativa

Em março de 2017, foi realizada a inspeção final da rede óptica municipal de Nossa Senhora dos Remédios PI. Cidade pequena, rede pequena, as inspeções foram realizadas em um dia. Bem trabalhado, por sinal…

Os profissionais da XN  empresa que cuidou da implantação da rede daquela localidade, haviam encontrado pulgas e percevejos nas camas da Pensão Mãe Rola. Por este motivo, decidimos nos hospedar numa cidade vizinha, Esperantina. Chegamos no  hotel de Esperantina por volta de 0:10 da manhã de segunda-feira e descobrimos que estávamos a mais de 100 Km da cidade de Nossa Senhora dos Remédios.

 

Às seis da manhã pegamos a estrada. O GPS nos indicou um caminho que encurtava o trajeto em 30 Km. Seguimos o roteiro e logo descobrimos porque o pessoal do hotel não havia indicado aquele caminho: A estrada não era pavimentada e levamos mais de duas horas rodar apenas 70 Km. Paisagens bucólicas e muito bonitas, estrada péssima e cheia de buracos. Chegamos ao nosso destino por volta de oito e trinta da manhã.

Trabalhamos a manhã toda e almoçamos no único lugar razoavelmente  decente para se comer na cidade.

Para evitar outras 4 horas de viagem de ida e volta no dia seguinte, trabalhamos até terminar todas as inspeções. Regressamos a Esperantina à noite, desta vez, usando caminhos pavimentados. Foram 120 Km de estradas mais confortáveis,   mas, o tempo de viagem foi o mesmo da ida: Duas horas.  Na manhã seguinte, trabalhamos no hotel, revisando os detalhes da inspeção realizada e almoçamos numa churrascaria, às margens do rio Longá.

Na hora de pagar a conta, veio a surpresa: Descobrimos que o município de Esperantina possui Banco e moeda social própria. O LONGÁ

O projeto do Longá foi lançado em 2015, por iniciativa da vereadora Domingas Santana, que observou que a economia local seria incentivada com a criação de um banco comunitário, destinado a promover a inclusão financeira de famílias carentes, estimular o desenvolvimento local e promover a concessão de crédito para pequenos empreendedores.

Mas, tem outro motivo, que julgo pertinente relatar. De uns anos para cá, não há uma única cidade de pequeno porte na região nordeste que não tenha sido alvo de roubo com dinamite. A consequência inicial é que as agências e caixas explodidas nunca voltaram a funcionar. Assim, nessas cidades, quase não circulam Reais. Ou é cartão, ou quem compra tem que ir até uma cidade maior e sacar dinheiro.

A nova moeda social, Longá, tem notas de 0,50, 1,00, 2,00, 5,00 e 10,00.

As imagens que compõem a moeda social vão desde o Peixe Surubim, ao Colégio David Caldas, Cachoeira do Urubu, Pedra do Tapuio, Ponte sobre o Rio Longá e um Vaqueiro.

O primeiro município do Piauí a criar um banco comunitário e adotar moeda própria, OPALA, foi Pedro II. Em em seguida, São João do Arraial lançou o COCAIS.  O caso mais recente, é do Município de Porto, que lançou a moeda  MARRUÁS.

Pelo jeito, esta história vai longe…     

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *