UM CURSO NA “ONU”

Ericsson“Network Spring Course”, este era o nome do curso que fiz na Suécia. O nome deve ter sido adotado por ser “quase” primavera para eles. Às cinco da tarde do dia 25 de fevereiro DE 1970, o Boing 707 da Lufthansa que me trouxe de Frankfurt aterrissou no aeroporto de Arlanda. Noite feita,  13 graus negativos, um frio moderado para os padrões suecos. Uma noite limpa, com céu estrelado. Logo descobri que tive muita sorte! Poderia ter dado de cara com uma das muitas nevascas que caem por lá no início do ano.

Na manhã seguinte, a cidade estava tomada por densa neblina e caia um chuvisco fino misturado com grãos de gelo. Apesar de não ter nevado naquela noite, havia montes de neve antiga e suja derretendo nas calçadas e sujando a barra da calça, apesar dos sete graus negativos. Efeito do sal grosso jogado nas ruas para apressar o derretimento do gelo.

Após a apresentação no Centro de Treinamento de redes da Ericsson no bairro de Gröndal, o grupo foi levado até uma loja de departamentos. Ninguém tinha roupas adequadas para o clima do país. Todos compraram um traje completo. Ficou parecendo que estávamos de uniforme, pois as roupas eram quase iguais. Sapatos impermeáveis de calcanhar alto, meias de lã, cuecões, camisetas, sobretudo, cachecol e gorro de cossaco. Saímos da loja já vestidos, levando as roupas originais nas sacolas de compra.

A Ericsson dominava o mercado de telecomunicações na região do báltico e tinha forte presença na América Latina, Europa Oriental, Oriente Médio e Sudeste da Ásia. O departamento de treinamento era muito ativo e oferecia cursos de comutação, transmissão, rádio, tráfego, redes externas e outros, durante o ano todo.

Network Spring Course cobria planejamento, projeto, operação, manutenção e materiais de redes externas. Os solteiros foram alojados no “Guest House” da Ericsson, ao lado da fábrica da empresa, no bairro de Telefonplan. A estação de metrô mais próxima tinha o mesmo nome.

Alunos casados eram hospedados em casas de família. Permaneci dois meses no Guest House. Quando minha esposa chegou, em meados de maio, fomos morar na casa de uma senhora originária de Macau, que falava português com sotaque de Portugal, chamada Irene.

O curso era em tempo integral, com aulas teóricas pela manhã e aulas práticas à tarde. Através das aulas teóricas, fui introduzido ao conceito de redes flexíveis, mais tarde adotado pela Telepar e em seguida pelo sistema Telebrás.

Orientados por um instrutor de cabelos brancos que sabia tudo sobre construção de rede externa, trabalhamos durante três meses na implantação de uma rede telefônica dentro do laboratório do centro de treinamento. Instalamos cabos aéreos e cabos subterrâneos e confeccionamos emendas. Realizamos testes de transmissão. Instalamos linhas e aparelhos telefônicos. Simulamos faltas e localizamos defeitos. Após minha volta ao Brasil, a prática adquirida durante o curso me ajudou muito no desenvolvimento de novas práticas de construção para a Telepar.

Na foto, os alunos do curso. 1 Brasil, 2 Birmânia (hoje Myanmar), 3 Colômbia, 4 Filipinas, 5 Paquistão, 6 e 7 Bangladesh, 8, 9 e 10, Arábia Saudita. Três cristãos, quatro muçulmanos e três hinduístas. A Ericsson organizou as aulas respeitando os horários de oração dos quatro alunos muçulmanos. Havia os tradicionais tapetes para oração e até a direção para Meca foi estabelecida com a ajuda de uma bússola.

Quando o curso terminou, a Ericsson providenciou transporte marítimo para bens duráveis que os alunos haviam comprado. Eu havia comprado duas caixas de som de última geração e um toca-discos belt drive Bang & Olufsen, braço com ajuste de peso micrométrico e agulha de diamante semi elíptica, verdadeira joia “made in Finland”. Pensei que nunca chegaria, mas, estava enganado. O gerente da filial da Ericsson em Curitiba levou na minha casa.

Perdi contato com quase todos. Sei que Gonzalo Cuellar tornou-se gerente do centro de treinamento da Entel Colômbia e que Virgílio Guzman foi trabalhar na Bell Telephone of California. Nos encontramos nos EUA três anos depois do curso. Comi uma paella com ele e a esposa em San Diego. Conversamos sobre o frio que passamos, sobre o curso e sobre nossos colegas. Demos boas risadas.

Olhando a foto, alguém pode supor que se trata de alguma facção política. Na realidade, trata-se de um grupo de pessoas originárias de países distantes, pertencentes a culturas e religiões diversas, que conviveram e se tornaram bons amigos ao longo de três meses, vividos num país frio e distante, mas, onde todos receberam novos conhecimentos e encontraram respeito e calor humano.

Eu sempre digo que fiz um curso na “ONU”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *